Só para não dizer que só eu falo disso

A outra porta do prazer,
porta a que se bate suavemente,
seu convite é um prazer ferido a fogo
e, com isso, muito mais prazer.

Amor não é completo se não sabe
coisas que só o amor pode inventar,
Procura o estreito átrio do cubículo
aonde não chega a luz, e chega o ardor
de insofrida, mordente
fome de conhecimento pelo gozo.

- Carlos Drummond de Andrade


 
 

Sodomia

 

 


Anestésicos a parte, não existe nada melhor do que ser bem cavalgada por um homem.
Não entendo mulheres que ainda não descobriram o prazer de uma boa enrabada. Talvez eu tenha dado sorte de ser muito bem comida e hoje adorar ter um homem cavalgando bem fundo em mim.
Nem todas as mulheres compartilham dessa minha opinião, desconhecem as maravilhas que uma boa bunda arrebitada pode proporcionar. Daí meu apelo a vocês homens, insistam, mostrem às mulheres que existe gozo após um bom sexo anal.
Escolha uma noite e faça dela um momento especial. Coma-a como se fosse a primeira vez, carinho, atenção e um bom pau duro na vagina são um bom começo para quem quer arrombar a porta dos fundos.
Abocanhe os seios e sussurre no ouvido o quanto te deixa louco a possibilidade de comer a bunda dela.
Explore o corpo dela como se nunca tivesse visto antes, desça e caia de boca. Lamba a rachadura entre pernas, faça movimetos circulares com a lingua em torno do clitóris, com os dedos penetre-a vagarosamente e vá aumentando os movimentos como se estivesse anunciando o que é capaz de fazer com seu pau.
Ouça-a gemer, o gemido de uma mulher muitas vezes é um pedido para ser enrabada.
Quando ela estiver emplorando para ser comida, passeie com as pontas dos dedos, sinta a pele macia e percorra a rachadura que guarda o grande abismo pelo qual você quer ser engolido. Deixe seus dedos abrirem caminho, contorne o anus dela com as pontas e vá aumentando a pressão aos poucos até enfiá-lo inteiro. Alterne os movimentos de entrada e saída com algumas lambidinhas, a sensação é ótima.
Faça-a ficar quatro, mostre a ela o tesão que está sentindo e vá em frente. Com delicadeza esfregue a cabeça do seu pau na porta de entrada, vá aumentando a pressão e finalmente enrabe-a. Mantenha seu pinto lá parado por alguns segundos até que ela se acostume e comece as estocadas.
Para ajudar você pode ter a mão um lubrificante, masturbar a vagina e até dar uns tapinhas na bunda dela enquanto enraba, eu adoro uns tapinhas.
É bem possível que a partir de agora você tenha que enrabá-la toda vez que comê-la.
Lembro da sensação que sinto quanto tenho um pinto no meu traseiro. Sinto os dedos abrirem caminho, minha bunda se descolando e um calor súbito subindo por minhas coxas. Não consigo manter minha discrição por muito tempo, o raciocínio falha medida que a vontade de ser comida cresce. Tudo que passo a querer é o membro dele duro me arregaçando, adoro ter o pau dele engolido pela minha bunda.
O gozo de ser cavalgada por um homem é bem diferente, sinto a mão dele puxando meus cabelos, meu corpo tremer, calor e uma explosão. Sei que não sou a única mulher a me deliciar com um bom sexo anal, por isso, volto a dizer só não gosta de ser cavalgada aquela mulher que ainda não teve a sorte de encontrar um bom arrombador de portas traseiras.

 

 

 
 

Tarde de Mais

Um dia você olhará  para trás e verá que a mulher da sua vida agora é a mulher da vida de outro.

Que o sorriso que ela abria ao te ver ainda está lá, com a mesma força, mas agora se manifesta por outro rosto.

A torcida, a vibração com as conquistas estão mais intensas, mas já não são por você.

A admiração, o carinho que te davam força mudaram de foco.

Sentirá saudades das conversas e das risadas. Questionará em que momento você deixou tudo isso passar. E aí lembrará com pesar do que eu sempre falei:

Quem se preserva de mais não sofre, mas também não é feliz.

 

 
 

Se eu me for foi você que abriu a porta

 
 

Certezas sobre você que nem você acredita.

A vida tem algumas coisas que surpreendem se não pela forma pela hironia. Comanda os acontecimentos de forma misteriosa.

Essa semana conheci alguém que me deu a certeza de algumas coisas que eu intuía.

Uma sensação boa.

Não sei porque, e não sei explicar, mas eu tenho dentro de mim certezas sobre a minha vida e sobre pessoas que fazem parte dela que depois comprovam-se.

Eu não sei da onde vem, é como se alguém soprasse para mim o que vai acontecer e não importa o rumo das coisas sempre dá certo.

Estou passando por um momento especifico de retomada e as certezas são as mesmas só que  com mais afinco.

Impressionante que esta pessoa que eu conheci validou tudo com muita contundência.

Difícil dizer como é, apenas é.

 
 

Coisas que aprendi sobre o que quero para mim.

 Este ano foi importante para eu poder refinar as minhas escolhas, fazer uma escolha mais assertiva sobre o meu estilo de homem.
Ao menos puder fazer uma lista de coisas que não quero para mim.
Conheci alguns tipos e deles tirei as seguintes conclusões:
Quero alguém que saiba rir.
Alguém que se divirta com coisas bobas, que dê risada. Pensei até em estipular um número de risadas obrigatórias por dia para escolher melhor.
Tudo isso porque saí com um ser que não sabe o significado da palavra diversão. Falava todas as L- E- T- R- A- S da palavra e estava sempre pronto para uma entrevista de trabalho, mesmo no cinema.
Parece bem bacana a primeira vista, mas imagina o quão formal é um ser assim. Estas eram apenas algumas das características.  Outro fato, tudo virava um sermão! Nenhuma conversa era só uma conversa daquelas que não se nada a aprender... sem moral ou lição. As estrelas viravam aula de ciências...Aff!
Daí decidi! Para mim rir é importante, falar besteira e achar graça das coisas. Sou a favor de ataques de "bobose", rir de coisas sem importância até a barriga doer.
Meninos, me desculpem, mas outra coisa que descobri é que para mim quantidade é muitoooo importante. Namorei quatros meses com um cara que transou comigo três vezes!!!! Sendo que duas eu estuprei a criatura. Não foi falta de tentar isso posso garantir.
Saí com ele mais quatros meses após terminarmos, uma tentativa de reatarmos, e NADA, e olha que viajamos juntos, dormimos juntos!
Por isso mais uma decisão: quero alguém que goste de sexo e que dê mais de uma!
Caras egoístas também estão fora da lista. Peguei verdadeiro ódio deste tipo. Egoísmo traz outras características detestáveis junto. Falta de cuidado com a outra pessoa talvez seja a pior delas, sem falar de egocentrismo e distorção da realidade.
Verdade, esta devia estar no topo da lista, se você não confiar de cara  SAIA FORA! Passei oito meses dando chance a verdade e concedendo o benefício da dúvida e descobri que este benefício é algo que deve ser concedido a pouquíssimas pessoas. Escolhidas a dedo.
Bom ao menos assim espero que as escolhas de 2009 sejam melhores.

Escolhido a dedo

Tô chegando a conclusão que gosto dos imperfeitos, não que existam os perfeitos, mas acho que sinto uma atração inevitável por aqueles que têm defeitos maiores e mais evidentes. Muito nobre né! Até parece!!!!!

Nobre nada a maior dor de cabeça. Eu não podia gostar dos bonzinhos, dos nerds... é eles são chatos, mas previsíveis e seguros.

Mas não, eu gosto dos tortos, inseguros, imprevisíveis aqueles que sempre me ferram.

Até em filmes é assim, nunca gosto dos mocinhos, prefiro os cafajestes, canalhas, os que vêm com a placa PERIGO estampada na testa.

Será que é genético? Ou tem cura?

Carência dos 40 anos.

Existe uma teoria, compartilhada até por muitos homens, que diz que a mulher ao chegar aos 30 anos vendo as amigas casando surta e acha que precisa casar o quanto antes. Nessa começam a pressionar os namorados ou vão a caça com fome de quem hibernou os últimos 15 anos.

Este ano fui vítima da carência dos homens, uma síndrome que chamei de carência dos 40 anos.

Conheci três homens com esta idade, me envolvi mais com uns do que com outros.

Um deles vocês acompanharam por aqui. Conheci na rua, num sinal de trânsito, coisas do acaso. Em dois dias ele tinha me pedido em namoro, aceitei. Até aí ok.

O impressionante foi que com um mês de namoro ele me pediu em casamento. Fiquei impressionada, com medo e obvio lisonjeada, mas não conseguia para de pensar: o que ele conhece de mim e o que eu conheço dele? Algo me empurrava para o sim, mas muito me ancorava no Não. A resposta foi Não.

Durante algumas crises me questionei se não devia ter aceitado se não estaria terrivelmente feliz agora. Hoje tenho certeza de que foi o Não mais acertado da minha vida.

Depois desse, ainda na rua, fui abordada por outro quarentão (tô concluindo que esta coisa de conhecer gente na rua não dá certo), trocamos telefone, conversamos e fomos tomar um café, que mal pode haver num café?

O café durou duas horas e junto com a conta veio o comentário: você é o tipo de mulher que me faz pensar em casamento.

A luz vermelha acendeu: SOCORRO.

Eu já escaldada pela primeira história realmente tive medo daquele ser.

Ainda tomamos mais dois cafés juntos até que ele resolveu me agarrar e me surpreender com uns beijos babados no rosto. Achei que era hora de pular fora e deixei de atender as ligações. Um dia distraída sem querer atendi e do outro lado ouvi uma ameaça: vou te ligar mais uma vez e se você não atender não vou ligar mais. Acho que ele não era muito bom com contas porque ligou mais oito vezes e eu não atendi nenhuma.

Vinte dias depois estava eu indo jantar com outro moço que nunca tinha visto antes. Mais sério, formal e responsável que os outros achei que ali era finalmente uma zona segura. Pedimos uma entrada e um vinho, conversamos muito. Tava indo tão bem que apesar da seriedade achei que finalmente daquele mato sairia coelho. O vinho acabou a conversa não.

E antes do prato principal o cenário ficou indigesto. O que você veio fazer aqui hoje? Perguntou ele.

Eu comecei a pensar que tipo de pergunta é essa? Respondi, vim conhecer uma pessoa, gosto de conhecer gente.

Eu vim aqui para conhecer a mulher que será a mulher a da minha que eu vou cuidar e que me dará um filho, disse ele.

Uma gota de suor escorreu pelo meu rosto. Logo depois rolou uma intimada: e você?

Bom eu queria sumir, mas tentei quebrar o gelo e respondi: eu não decidi nem o que eu quero jantar, preciso decidir agora se vou casar? E dei uma risada... ele não. Ainda assim mantive contato e no fim da semana ele trouxe uma programação de onde passaríamos as festas de fim de ano, com direito a viagem internacional e tudo.

Gente socorro, o que está acontecendo com estes homens? Alguém tem alguma teoria? Olha que eu estou bem perto dos trinta e era para estar na fase do desespero, mas calma né!

Estas três experiências me fizeram concluir que o homem também passa por uma fase de desespero, só vem mais tarde que a dá mulher.

Tudo isso também me fez questionar como estes homens com uma semana, quinze dias, um mês podem concluir que alguém pode ser a mulher da vida deles?

Este tipo de coisa deveria atrair as mulheres? Não sei por que, talvez pela primeira experiência, eu tenho receio deste tipo de comportamento, isso realmente me faz ter mais cautela, e se eu estava interessada na pessoa eu puxo o freio de mão.

Não tem como escapar

Se você deve e não paga fique atento, a vida se encarrega de cobrar. Com juros!

Aguarde!

O Mundo gira e as pessoas caem.

Pena que nem todos pensam assim... e ainda conseguem dormir.

Certas coisas precisam ser ditas, e há ocasiões em que o silêncio é cumplice da injustiça.

Simples como amar

Ontem eu vi um filme sobre a vida de uma menina excepcional  que se apaixonava por um menino excepcional.

E de verdade eles era realmente excepcionais! Amavam como ninguém!

Sem jogos, sem trapaças, sem mentiras... o único artifício era a verdade, exposição dos sentimentos, assim simples. Quantas pessoas ditas “normais” conseguem fazer isso?

Meu último namoro, por exemplo, acabou pela inabilidade da entrega de dizer a verdade.

Taí uma coisa que podíamos aprender com eles. Observar e aprender a arte da entrega.

Sentimentos postos assim, as claras, sem medo do que o outro fará com a informação, com certeza de que ele ouvirá e apenas entenderá... como tem que ser.

Nada de cobranças, de sustos, de medos, tudo resumido a doar e receber.

 

 

Estar solteira faz coisas com a gente...

Insistência

Um amor que todos viram morrer menos eu.

Assim que eu estou me sentindo, meio idiota por ter insistido.

Os sinais estavam aí e aqui também... ,muita gente pode acompanhar e só eu quis acreditar que daria certo.

Quantas chances eu dei, uma, outra, outra e outra. Mas só eu não queria ver. Agora o que resta é a mágoa comum aos finais de relacionamento.

Um relacionamento onde a mágoa teve muito espaço, ouvi mais do que devia.

 

De volta.

Faz tempo que não passo por aqui. Para falar a verdade sumi propositalmente.

As coisas nestes últimos tempos não foram fáceis e preferi deixar que acontecessem  a tentar entender e concluir,  por isso preferi não escrever e ocupei-me em só sentir.

Foi uma fase que, por causa dos meus valores, perdi o emprego, ainda fui assaltada e vi um amor morrer.

Agora a turbulência passou e a fase é de reconstrução. Os pensamentos estão mais claros, ao menos os que sobraram, já quero refletir sobre o que fazer com eles.

Teremos bastante conteúdo a partir de agora.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Mulher, O sonho de muitos e pesadelo de alguns.