Escolhido a dedo

Tô chegando a conclusão que gosto dos imperfeitos, não que existam os perfeitos, mas acho que sinto uma atração inevitável por aqueles que têm defeitos maiores e mais evidentes. Muito nobre né! Até parece!!!!!

Nobre nada a maior dor de cabeça. Eu não podia gostar dos bonzinhos, dos nerds... é eles são chatos, mas previsíveis e seguros.

Mas não, eu gosto dos tortos, inseguros, imprevisíveis aqueles que sempre me ferram.

Até em filmes é assim, nunca gosto dos mocinhos, prefiro os cafajestes, canalhas, os que vêm com a placa PERIGO estampada na testa.

Será que é genético? Ou tem cura?

Carência dos 40 anos.

Existe uma teoria, compartilhada até por muitos homens, que diz que a mulher ao chegar aos 30 anos vendo as amigas casando surta e acha que precisa casar o quanto antes. Nessa começam a pressionar os namorados ou vão a caça com fome de quem hibernou os últimos 15 anos.

Este ano fui vítima da carência dos homens, uma síndrome que chamei de carência dos 40 anos.

Conheci três homens com esta idade, me envolvi mais com uns do que com outros.

Um deles vocês acompanharam por aqui. Conheci na rua, num sinal de trânsito, coisas do acaso. Em dois dias ele tinha me pedido em namoro, aceitei. Até aí ok.

O impressionante foi que com um mês de namoro ele me pediu em casamento. Fiquei impressionada, com medo e obvio lisonjeada, mas não conseguia para de pensar: o que ele conhece de mim e o que eu conheço dele? Algo me empurrava para o sim, mas muito me ancorava no Não. A resposta foi Não.

Durante algumas crises me questionei se não devia ter aceitado se não estaria terrivelmente feliz agora. Hoje tenho certeza de que foi o Não mais acertado da minha vida.

Depois desse, ainda na rua, fui abordada por outro quarentão (tô concluindo que esta coisa de conhecer gente na rua não dá certo), trocamos telefone, conversamos e fomos tomar um café, que mal pode haver num café?

O café durou duas horas e junto com a conta veio o comentário: você é o tipo de mulher que me faz pensar em casamento.

A luz vermelha acendeu: SOCORRO.

Eu já escaldada pela primeira história realmente tive medo daquele ser.

Ainda tomamos mais dois cafés juntos até que ele resolveu me agarrar e me surpreender com uns beijos babados no rosto. Achei que era hora de pular fora e deixei de atender as ligações. Um dia distraída sem querer atendi e do outro lado ouvi uma ameaça: vou te ligar mais uma vez e se você não atender não vou ligar mais. Acho que ele não era muito bom com contas porque ligou mais oito vezes e eu não atendi nenhuma.

Vinte dias depois estava eu indo jantar com outro moço que nunca tinha visto antes. Mais sério, formal e responsável que os outros achei que ali era finalmente uma zona segura. Pedimos uma entrada e um vinho, conversamos muito. Tava indo tão bem que apesar da seriedade achei que finalmente daquele mato sairia coelho. O vinho acabou a conversa não.

E antes do prato principal o cenário ficou indigesto. O que você veio fazer aqui hoje? Perguntou ele.

Eu comecei a pensar que tipo de pergunta é essa? Respondi, vim conhecer uma pessoa, gosto de conhecer gente.

Eu vim aqui para conhecer a mulher que será a mulher a da minha que eu vou cuidar e que me dará um filho, disse ele.

Uma gota de suor escorreu pelo meu rosto. Logo depois rolou uma intimada: e você?

Bom eu queria sumir, mas tentei quebrar o gelo e respondi: eu não decidi nem o que eu quero jantar, preciso decidir agora se vou casar? E dei uma risada... ele não. Ainda assim mantive contato e no fim da semana ele trouxe uma programação de onde passaríamos as festas de fim de ano, com direito a viagem internacional e tudo.

Gente socorro, o que está acontecendo com estes homens? Alguém tem alguma teoria? Olha que eu estou bem perto dos trinta e era para estar na fase do desespero, mas calma né!

Estas três experiências me fizeram concluir que o homem também passa por uma fase de desespero, só vem mais tarde que a dá mulher.

Tudo isso também me fez questionar como estes homens com uma semana, quinze dias, um mês podem concluir que alguém pode ser a mulher da vida deles?

Este tipo de coisa deveria atrair as mulheres? Não sei por que, talvez pela primeira experiência, eu tenho receio deste tipo de comportamento, isso realmente me faz ter mais cautela, e se eu estava interessada na pessoa eu puxo o freio de mão.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Mulher, O sonho de muitos e pesadelo de alguns.