Devaneios

Escolhido a dedo

Tô chegando a conclusão que gosto dos imperfeitos, não que existam os perfeitos, mas acho que sinto uma atração inevitável por aqueles que têm defeitos maiores e mais evidentes. Muito nobre né! Até parece!!!!!

Nobre nada a maior dor de cabeça. Eu não podia gostar dos bonzinhos, dos nerds... é eles são chatos, mas previsíveis e seguros.

Mas não, eu gosto dos tortos, inseguros, imprevisíveis aqueles que sempre me ferram.

Até em filmes é assim, nunca gosto dos mocinhos, prefiro os cafajestes, canalhas, os que vêm com a placa PERIGO estampada na testa.

Será que é genético? Ou tem cura?

Carência dos 40 anos.

Existe uma teoria, compartilhada até por muitos homens, que diz que a mulher ao chegar aos 30 anos vendo as amigas casando surta e acha que precisa casar o quanto antes. Nessa começam a pressionar os namorados ou vão a caça com fome de quem hibernou os últimos 15 anos.

Este ano fui vítima da carência dos homens, uma síndrome que chamei de carência dos 40 anos.

Conheci três homens com esta idade, me envolvi mais com uns do que com outros.

Um deles vocês acompanharam por aqui. Conheci na rua, num sinal de trânsito, coisas do acaso. Em dois dias ele tinha me pedido em namoro, aceitei. Até aí ok.

O impressionante foi que com um mês de namoro ele me pediu em casamento. Fiquei impressionada, com medo e obvio lisonjeada, mas não conseguia para de pensar: o que ele conhece de mim e o que eu conheço dele? Algo me empurrava para o sim, mas muito me ancorava no Não. A resposta foi Não.

Durante algumas crises me questionei se não devia ter aceitado se não estaria terrivelmente feliz agora. Hoje tenho certeza de que foi o Não mais acertado da minha vida.

Depois desse, ainda na rua, fui abordada por outro quarentão (tô concluindo que esta coisa de conhecer gente na rua não dá certo), trocamos telefone, conversamos e fomos tomar um café, que mal pode haver num café?

O café durou duas horas e junto com a conta veio o comentário: você é o tipo de mulher que me faz pensar em casamento.

A luz vermelha acendeu: SOCORRO.

Eu já escaldada pela primeira história realmente tive medo daquele ser.

Ainda tomamos mais dois cafés juntos até que ele resolveu me agarrar e me surpreender com uns beijos babados no rosto. Achei que era hora de pular fora e deixei de atender as ligações. Um dia distraída sem querer atendi e do outro lado ouvi uma ameaça: vou te ligar mais uma vez e se você não atender não vou ligar mais. Acho que ele não era muito bom com contas porque ligou mais oito vezes e eu não atendi nenhuma.

Vinte dias depois estava eu indo jantar com outro moço que nunca tinha visto antes. Mais sério, formal e responsável que os outros achei que ali era finalmente uma zona segura. Pedimos uma entrada e um vinho, conversamos muito. Tava indo tão bem que apesar da seriedade achei que finalmente daquele mato sairia coelho. O vinho acabou a conversa não.

E antes do prato principal o cenário ficou indigesto. O que você veio fazer aqui hoje? Perguntou ele.

Eu comecei a pensar que tipo de pergunta é essa? Respondi, vim conhecer uma pessoa, gosto de conhecer gente.

Eu vim aqui para conhecer a mulher que será a mulher a da minha que eu vou cuidar e que me dará um filho, disse ele.

Uma gota de suor escorreu pelo meu rosto. Logo depois rolou uma intimada: e você?

Bom eu queria sumir, mas tentei quebrar o gelo e respondi: eu não decidi nem o que eu quero jantar, preciso decidir agora se vou casar? E dei uma risada... ele não. Ainda assim mantive contato e no fim da semana ele trouxe uma programação de onde passaríamos as festas de fim de ano, com direito a viagem internacional e tudo.

Gente socorro, o que está acontecendo com estes homens? Alguém tem alguma teoria? Olha que eu estou bem perto dos trinta e era para estar na fase do desespero, mas calma né!

Estas três experiências me fizeram concluir que o homem também passa por uma fase de desespero, só vem mais tarde que a dá mulher.

Tudo isso também me fez questionar como estes homens com uma semana, quinze dias, um mês podem concluir que alguém pode ser a mulher da vida deles?

Este tipo de coisa deveria atrair as mulheres? Não sei por que, talvez pela primeira experiência, eu tenho receio deste tipo de comportamento, isso realmente me faz ter mais cautela, e se eu estava interessada na pessoa eu puxo o freio de mão.

Não tem como escapar

Se você deve e não paga fique atento, a vida se encarrega de cobrar. Com juros!

Simples como amar

Ontem eu vi um filme sobre a vida de uma menina excepcional  que se apaixonava por um menino excepcional.

E de verdade eles era realmente excepcionais! Amavam como ninguém!

Sem jogos, sem trapaças, sem mentiras... o único artifício era a verdade, exposição dos sentimentos, assim simples. Quantas pessoas ditas “normais” conseguem fazer isso?

Meu último namoro, por exemplo, acabou pela inabilidade da entrega de dizer a verdade.

Taí uma coisa que podíamos aprender com eles. Observar e aprender a arte da entrega.

Sentimentos postos assim, as claras, sem medo do que o outro fará com a informação, com certeza de que ele ouvirá e apenas entenderá... como tem que ser.

Nada de cobranças, de sustos, de medos, tudo resumido a doar e receber.

 

 

Verdades de um blog de um amigo

Não deixe uma pessoa se apaixonar por você se isso não for melhorar a vida dela.
Não se apaixone por alguém se isso for atrapalhar a sua vida.


Tirado do blog http://porumpratodecomida.zip.net/

Verdade só é verdade se for contata no tempo certo.

A gente nunca pensa nisso na hora de abrir a boca e fazer uma revelação. Até porque verdade só é verdade se for difícil de falar caso contrario nem percebemos que se trata de uma VERDADE.
Aí por causa deste "medo" de dizer as vezes passa o tempo e a verdade deixa de ser verdade para virar uma confissão. Deu para acompanhar?
É assim, seria verdade se tivesse sido contato na hora certa, como não foi agora é confissão.
Acho que com exemplos vai melhorar.
Por exemplo, tem uma pessoa passando mal, você a leva para o hospital e ela morre. Depois de morta você conta para o médico que ela ingeriu veneno. Se você tivesse contato a verdade a pessoa estaria viva, ou ao menos teria uma chance, mas você não falou. Agora no enterro resolve falar, a revelação deixou de ser verdade para ser uma confissão.
Sei que o exemplo é um tanto quanto drástico mas dá para entender a dinâmica não dá?
Passei a observar e notei que muitas coisas deixam de ser verdade e muita gente sofre um bocado porque a verdade vira confissão.
 

Coração Entenda!

Meu coração, por mais doído que esteja, ainda teima em achar que temos uma chance.
Minha cabeça mostra incessantemente ao coração todos os motivos pelo qual a decisão foi tomada para ver se convence o coitado.
O discurso racional dura lá uns 40 minutos e depois começa tudo novamente.
Ô Deus que dificuldade de assimilação.
Será que ele, além músculo involuntário ainda é obturado?
Como foi capaz de esquecer tão rápido o quanto ficou angustiado, decepcionado, triste...
Existe a possibilidade de isso ser um tipo de inteligência transcendental que eu racionalmente não consigo entender?
Entenda coração, você só sofre as conseqüências e não opina, ao menos neste caso.
 

Dono da Bola.

O meninos crescem mas alguns homens continuam agindo como os donos da bola.
"A bola é minha e se estou perdendo o jogo eu vou levar a bola embora".

Tem ainda os que se julgam donos da bola e do campo, mesmo que achemos outra bola o espaço é dele.
É mito difícil tentar construir algo ao lado de um homem com este estereotipo.
Duas opções são válidas:  você se anula e passa a jogar sobre as regras dele (é preciso ser muito submissa e ter sangue de barata nesta opção). Ou sua vida vai torna-se um verdadeiro campo de batalhas, tudo será motivo de discussão (como eu não tenho sangue de barata caso contrário teria optado pela primeira situação a chance de não dar certo é grande afinal quem aguenta viver assim?).
Mas a questão não é essa. A questão é: Qual a graça de ser egocêntrico a este ponto?
Passei horas pensando nisso e não consegui entender (se você conseguir por favor compartilhe a teoria).
Estar ao lado de alguém que se contente em estar a sobra do que somos é bizarro. O que se pode compartilhar com esta pessoa? O que ela vai somar na minha  vida.
É como relacionar-se com a própria sombra, mas um indicio de egocentrismo.
Agora a lição disso tudo... não adianta tentar mudar o ser, ele não vai nem enxergar a sua rebeldia, está muito focado no próprio umbigo.

Fez a minha noite melhor....

Não é um texto muito adequado para o dia dos namorados, mas é um texto muito apropriado para alguém que se decepcionou profundamente com o namorado e terminou na semana do dia dos namorados.

 

 

“Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos.
Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada.
Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade.
Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo.
Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável.
Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava.
Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.
Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos. 
Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto.
Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto.
Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade.
Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas. 
Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente.
Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém" 
(John Lennon)

Um mundo de possibilidades

 
E assim eu descobri que tenho todo um mercado a ser explorado.
Eu ignorava totalmente esta possibilidade, não sabia mesmo que podíamos filtrar as paqueras por biotipo x cultura.
Meu namorado, ou ex-namorado (sei lá, ô coisa confusa!) é árabe e sempre fez questão de me elogiar, sempre achei que era um gosto pessoal, mas descobri que não!
De uns quinze dias para cá fui cantada por mais dois árabes. Achei que a amostra tinha crescido muito e resolvi investigar.
Perguntei a um representante da raça qual era o estereotipo da mulher que os agrada. Resposta o seu!
Um mundo de possibilidades se abriu com esta resposta, justo eu que nuca me achei o "tipo" de ninguém...
Agora as baladas serão na porta de mesquitas e casas de chá!
 
* este é o estereotipo

TRISTE

Coração, para que se apaixonou
Por alguém que nunca te amou
Alguém que nunca vai te amar

Eu vou fazer promessa
Para nunca mais amar
Alguém que só quis me ver sofrer
Alguém que só quis me ver chorar

Mas eu preciso sair dessa
Dessa de se apaixonar
Por quem só quer me fazer sofrer
Por quem só quer me fazer chorar

É tão ruim quando alguém machuca a gente
O coração fica doente, sem jeito até pra conversar
Dói demais só quem ama sabe e sente
O que se passa em nossa mente
Na hora de deixar pra traz

Nunca mais eu vou provar do seu carinho
Nunca mais eu vou poder te abraçar
Ou será que vou viver melhor sozinho
E se for mais fácil pra me perdoar
Mas o amor, às vezes só confunde a gente
Não sei se com você é diferente
O amor, às vezes só confunde a gente
Não sei se com você pode ser diferente

Buraco

Certa vez um amigo me disse que tudo aquilo que incomoda no fundo incomoda porque fizemos mais do que era possível ser feito. Como se você tivesse dado além do que o seu limite.

Pensei muito sobre isso e é a mais pura verdade.

Toda vez que vou além do que acho que era natural vem aquela sensação incômoda e se incomoda é porque fiz algo com o que eu no fundo não concordo.

Meio vago né?

Vejamos se melhora.

Sabe aquela pessoa que já foi muito importante na sua vida, um ex-namorado por exemplo, e que da sua parte restou muito carinho? Então ele é sempre muito receptivo quando você liga, mas não retorna ligação nem nunca tomou a iniciativa de ligar. Obviamente eu deveria parar de ligar, mas como já tivemos algo muito gostoso vou, no aniversário, dele fazer mais uma tentativa. Dito e feito ele atende diz ter ficado feliz com  por eu ter lembrado mas encerra a ligação assim, preciso receber uma pessoa que chegou qualquer dia nos falamos. Tempo de duração da ligação: 15 segundos.

Ao desligar o telefone vem aquela sensação de mal estar, e um sonoro: EU NÃO DEVIA TER LIGADO na cabeça.

É a isso que me refiro, eu fiz mais que deveria ter feito.

Esta sensação pode acabar com uma relação, ainda mais quando os sentimentos são inversamente proporcionais. A parte cedente tem certeza que cedeu além do que seria normal e a outra parte acha que a primeira não fez mais que a obrigação, para não dizer que fez pouco.

É um buraco que não tem fim, os dois lados estão infelizes. Quanto mais o cedente ceder mais o buraco aumentará e nunca será o suficiente para tapar o buraco do outro, que continuará querendo mais e mais.

Estou tentando fazer esta conta fechar mais está tão difícil... de todos os lados me sinto devendo: para mim ou para ele.

Cuidado com a retaguarda

Tem um provérbio bobo que diz: Quanto mais baixa a cabeça mais mostra a bunda.
Nada requintado mas muito verdadeiro.
Não adianta, existem coisas que são impossíveis de abrir mão sem que se fique vulnerável. Não que ser vulnerável seja ruim, mas é arriscado. É preciso saber pelo que e na frente de quem se expor.
Uma proporção bem difícil de se achar, afinal a diferença entre remédio e veneno é exatamente a dose. E tem outra questão ainda mais delicada, quando e como se descobre que na frente de tal pessoa podemos ser vulneráveis?
Tentativa e erro, jogo de roleta russa.
Tem outras questões mais práticas onde o provérbio também se aplica, negociações comerciais. Estas acho as mais óbvias, cabem na mesma classificação a postura profissional. Em alguns casos se abaixar muito a cabeça, quer dizer abrir mão de muita coisa, certamente estará assinando a sentença de infelicidade profissional, ou assumindo erros que não são seus. Nada contra errar, mas os que são meus são meus,  e os que são seus são seus.

R$ Emocional.

 
Tenho avaliado muito esta questão em minhas decisões de uns anos para cá. Engraçado como com a idade este quesito ganha maior importância.
Quando eu estava na faculdade eu achava que queria trabalhar muito, ser workaholik, e um dia ser presidente de alguma empresa. Achava que ser bem sucedida era chegar tarde em casa.
Aí me formei, fui para o mercado e realmente pratiquei este raciocínio. Passei uns cinco anos trabalhando de 12 a 16 horas por dia e achava o máximo fazer isso.
Hoje meus valores são outros, quero trabalhar mas quero ter tempo para ter vida, ver amigos, namorar e principalmente gastar o R$ que eu ganho, teve uma época que eu ganhava muito bem mas não tinha tempo para gastar.
Conclusão larguei este emprego pois o preço emocional estava muito caro.
Foi isso que eu aprendi a mensurar nas minhas decisões de uns tempos para cá, o preço emocional das coisas.
Por exemplo quando vc está em um emprego onde seu chefe transforma a sua vida em um inferno, a ponto de você ficar doente, mas você ganha bem, será que vale a pena? Será que o preço emocional não está alto demais?
Você está namorando um moço que te deixa esperando por horas e na maioria das vezes dá furo, ou a coisa quando se está ao lado dele tem que ser surpreendente ou o valor emocianl também está alto.
Conversei sobre isto estes dias com uma amiga. Ela está na fase workaholik quando já devia estar mais calma, conclusão ela não tem vida social.
Não tendo vida social ela não conhece homens interessantes e está ficando solteirona.
Falei com ela: Toma cuidado, pois todas nós estamos trabalhando mas estamos na fase de dar foco para construir a vida emocional, se você não priorizar isso também vai chegar uma hora que todas estaremos casadas e você estará solteira e sozinha.
Esta tem se tornado uma forte moeda nas minhas decisões, não imaginei que seria tão valiosa.
Será que eu estou ficando velha?

Algumas dicas para espantar a tristeza:

  • Coloque a sua música preferida no carro em um volume bem alto, e cante, cante como uma louca.
  • Vá a academia, agora mais do que nunca, vc precisa cuidar do que é seu (além do que exercicio produz cerotonina que dá uma sensação de bem estar e de felicidade).
  • Faça terapia do grito, é ótimo. (vá até o túnel Ayrton Senna na 23 de maio e tente gritar do começo ao fim, com as janelas abertas).
  • Sabe aqueles elogios feitos pelos homens? DECORE cada um deles, vale até os de baixo calão.
  • Saia para dançar. Dançar elimina toxinas e também é considerado exercício, o que volta na questão da cerotonina.
  • Amigos são ótimos nestas horas, requisite todos!
  • Coloque a sua melhor roupa, aquela que você tem certeza que qualquer homem daria um braço por um boa noite seu e sai. Sua autoestima agradecerá.
  • Compre, compre, compre, shopping é sinônimo de terapia.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Mulher, O sonho de muitos e pesadelo de alguns.