Pimenta Malagueta

 
 

Só para não dizer que só eu falo disso

A outra porta do prazer,
porta a que se bate suavemente,
seu convite é um prazer ferido a fogo
e, com isso, muito mais prazer.

Amor não é completo se não sabe
coisas que só o amor pode inventar,
Procura o estreito átrio do cubículo
aonde não chega a luz, e chega o ardor
de insofrida, mordente
fome de conhecimento pelo gozo.

- Carlos Drummond de Andrade


 
 

Sodomia

 

 


Anestésicos a parte, não existe nada melhor do que ser bem cavalgada por um homem.
Não entendo mulheres que ainda não descobriram o prazer de uma boa enrabada. Talvez eu tenha dado sorte de ser muito bem comida e hoje adorar ter um homem cavalgando bem fundo em mim.
Nem todas as mulheres compartilham dessa minha opinião, desconhecem as maravilhas que uma boa bunda arrebitada pode proporcionar. Daí meu apelo a vocês homens, insistam, mostrem às mulheres que existe gozo após um bom sexo anal.
Escolha uma noite e faça dela um momento especial. Coma-a como se fosse a primeira vez, carinho, atenção e um bom pau duro na vagina são um bom começo para quem quer arrombar a porta dos fundos.
Abocanhe os seios e sussurre no ouvido o quanto te deixa louco a possibilidade de comer a bunda dela.
Explore o corpo dela como se nunca tivesse visto antes, desça e caia de boca. Lamba a rachadura entre pernas, faça movimetos circulares com a lingua em torno do clitóris, com os dedos penetre-a vagarosamente e vá aumentando os movimentos como se estivesse anunciando o que é capaz de fazer com seu pau.
Ouça-a gemer, o gemido de uma mulher muitas vezes é um pedido para ser enrabada.
Quando ela estiver emplorando para ser comida, passeie com as pontas dos dedos, sinta a pele macia e percorra a rachadura que guarda o grande abismo pelo qual você quer ser engolido. Deixe seus dedos abrirem caminho, contorne o anus dela com as pontas e vá aumentando a pressão aos poucos até enfiá-lo inteiro. Alterne os movimentos de entrada e saída com algumas lambidinhas, a sensação é ótima.
Faça-a ficar quatro, mostre a ela o tesão que está sentindo e vá em frente. Com delicadeza esfregue a cabeça do seu pau na porta de entrada, vá aumentando a pressão e finalmente enrabe-a. Mantenha seu pinto lá parado por alguns segundos até que ela se acostume e comece as estocadas.
Para ajudar você pode ter a mão um lubrificante, masturbar a vagina e até dar uns tapinhas na bunda dela enquanto enraba, eu adoro uns tapinhas.
É bem possível que a partir de agora você tenha que enrabá-la toda vez que comê-la.
Lembro da sensação que sinto quanto tenho um pinto no meu traseiro. Sinto os dedos abrirem caminho, minha bunda se descolando e um calor súbito subindo por minhas coxas. Não consigo manter minha discrição por muito tempo, o raciocínio falha medida que a vontade de ser comida cresce. Tudo que passo a querer é o membro dele duro me arregaçando, adoro ter o pau dele engolido pela minha bunda.
O gozo de ser cavalgada por um homem é bem diferente, sinto a mão dele puxando meus cabelos, meu corpo tremer, calor e uma explosão. Sei que não sou a única mulher a me deliciar com um bom sexo anal, por isso, volto a dizer só não gosta de ser cavalgada aquela mulher que ainda não teve a sorte de encontrar um bom arrombador de portas traseiras.

 

 

Estar solteira faz coisas com a gente...

EU JÁ ...

Como todo blogueiro eu leio outros blogs. Em alguns deles está rolando uma brincadeira chamada Eu Já...
A brincadeira consiste em fazer um resumo de algumas confissões, aí vai.
 
 
  • Quis muito ficar com um cara mesmo sabendo que ele era gay.
  • Consegui ficar com ele mesmo ele sendo gay.
  • Me machuquei por ele ser gay.
  • Me declarei para um amor platônico.
  • Fui amante.
  • Me arrependi por ser amante.
  • Sai de sobretudo sem nada por baixo.
  • Fiz uma surpresa para ele com o sobretudo.
  • Passei por cima de mim por causa de homem.
  • Passei por cima dele por minha causa.
  • Comprei massinha para brincar em casa, depois de adulta.
  • Emprestei dinheiro sem conhecer bem a pessoa.
  • Transei na rua.
  • Transei com professor meu da faculdade.
  • Transei na faculdade.
  • Transei no Pacaembu.
  • Quis fugir de casa.
  • Me arrependi de ter entrado em um relacionamento.
  • Namorei um babaca.
  • Fingi ter orgasmos durante todo um namoro.
  • Namorei um homem com disfunção erétil.
  • Fui acudir uma amiga de madrugada.
  • Fiquei decepcionada quando ela não fez o mesmo por mim.
  • Disse coisas que não devia dizer.
  • Me sabotei muito.

De novo

Deu para acabar com o desejo?
Não, deu para acabar com a fome.

Sala de espera

Estávamos no médico eu e ele, aguardando a consulta.
Ao entrarmos a reação das pessoas já foi inesperada, todos olharam, não sei se porque ele é grande ou se porque estávamos com cara de quem está bem junto.
Optamos por ficar no corredor, a sala de espera era pequena.
Encostei nele, o que é muito bom, e aproveitei para dar uns beijinhos. Os beijinhos puxaram outra coisa, eu adoro acariciar o pinto por cima da calça, é quase como um carinho, e lá estava eu fazendo o que gosto.
Não precisou muito, meus seios já estavam envolvidos pelas mãos dele.
Preferimos recuar um pouco, tinha uma moça que olhava bastante para nós, como se quisesse fazer parte do que estava acontecendo.
Encostamos perto do elevador, o pau dele estava duro e tudo que eu queria era aproveitar. Ele abaixou minha calça, me apoiei nos degraus da escada e senti ele foder por trás.
As estocadas eram firmes, eu queria gritar e não podia, isso me excita ainda mais. Não demorou muito para gozarmos.
Vesti a roupa e logo fomos chamados.
Gostei muito desta espera.

A graça de estar nua

Tenho o hábito de andar semi nua em casa, só de calcinha. Aliás não tenho o menor problema com a nudez, mas esta minha desenvoltura já me colocou em algumas situações engraçadas.
Durmo da mesma forma, uma vez acordei desesperada para atender o telefone, consegui, era uma amiga. Estava eu lá conversando com ela quando, do nada, dei o maior grito. Meu apartamento tem uma janela de 3mx2m e lá, parecendo estar parado no ar, estava o zepelim da Goodyear olhando para mim e ocupando toda a vista. Até aí ok!
O grito se deu  porque o dirigível estava tão perto que eu podia ver as obturações do piloto, o que quer dizer que ele também conseguia ver os meus poros.
Outra vez fui tomar banho, tranqüila, seguindo a minha rotina. Ao sair, de calcinha e toalha na cabeça, dei de cara com um amigo do meu irmão que tinha chegado e ninguém me avisou.
O hilário disso tudo é que ele ficou mais envergonhado do que eu.
Minha reação foi dizer:
 - Oi, tudo bom? Vou me trocar e já nos falamos.
E o pior.... eu ainda dei um beijinho de oi nele.
Fazer o que? Não sou do tipo que se incomoda quando nota que o decote esta profundo e tem alguém olhando.

Delícia

Não sei porque, mas pelo depoimento do meu ex e conversas com as amigas, as mulheres normalmente ignoram o saco na hora do sexo, principalmente do sexo oral.
Coisa difícil de entender, não é uma coisa só?
Além do que é tão gostoso provocar um homem dedicando-se somente ao saco e ignorando o restante. Mal sabem que depois de atacar as bolinhas o gozo vem bem mais fácil.
Sempre começo o sexo por lá, primeiro as mãos massageiam o todo, começa pelo pau e vai para as bolas. (Meninas o saco não é de porcelana)
Ao notar que tudo começa a mudar de textura dedico-me somente as bolas, a língua passa na virilha enquanto as mãos continuam o seu trabalho, esfrego o rosto no pau e no resto e sem querer minha língua esbarra nele até que tudo vai para dentro da minha boca sobrando só o pau.
Brinco com as bolas, uma de cada vez, separo, solto uma e deixo a outra na boca, dou uma leve puxada e ela sai totalmente.
As mãos brincam com o pau, mas só para provocar.
Adoro isso.
É fácil notar quando a coisa está ficando boa, o pau parece pedra e as bolas ficam próximas do abdômen e sobem, agora é só fazer o de praxe bem feito que a recompensa vem.

Dependência

O bom é saber que neste momento tudo depende de que eu quero.
É um momento onde o prazer do outro é decidido por mim, o extase ou a frustação, o que ele merece receber?
Este certamente é o maior barato do sexo oral.

Afffff.....

 

Isso que é autonomia.
E sonho de consumo também, imagina este potencial bem utilizado....

Será que anti mofo funciona?

Sabe aqueles saquinhos que vem dentro de alguns eletronico spara não far umidade? Será que se colocar uns dentro da calcinha evita a umidade quando eu ficar excitada?
Sei que os meninos têm um incomodo, ficou excitado é evidente o pau está lá, firme e forte dando a maior bandeira. Nós mulheres não damos bandeiras mas a cacinha sofre um bocado. Toda vez que me excito, e não são poucas, tenho a sensação que se eu jogar a minha calcinha na parede ela cola. O problema é que a excitação passa, na verdade a umidade também, mas fica aquela impressão de que a aclcinha se tornará parte integrante do meu corpo... sem falar do disperdício.

Liberdade

Uma de minhas próximas ambições é comprar um apartamento. Ambição de muito essa, a causa que é diferente.

 As pessoas comprar casa por motivos diversos, independência, liberdade, construir vida com outra pessoa... sei lá.
Eu quero um apartamento para poder me masturbar em paz.

Não ria, é verdade!

Quero poder assistir filmes pornô e ter sexy hot na minga TV a cabo.

Já perdi as contas de quantas vezes tive que interromper a siririca assim, no meio de tudo, pois minha mãe estava se mexendo na cama ou porque meu irmão resolvera ir ao banheiro.

Não tem coisa pior que naquela onda de prazer ter que vestir a calcinha e fingir que nada aconteceu.

Motivo bobo para comprar um imóvel?

Ao menos lá poderei gritar a vontade.

 

Reivindicação II

O que são aquelas bolas opacas que colocam na frente do pau do moço em filmes eróticos???????

Que coisa mais broxante!!!!

Nada contras as vagnas arreganhadas desde que nós mulheres possamos admirar os falos rígidos. Parece justo, não?

Da mesma forma que os homens, algumas mulheres como eu tem seu lado voyer e curtem ver a penetração. Ai, num ato de pudor, vem algum idiota e coloca uma imagem embaçada na frente. Pudor? Para!

Se o objetivo era esse o roteiro começou errado, não cabe pudor em um filme com sexo explicito.

È sempre assim bem na hora mais divertida a gente fica na mão. Haja imaginação.

Fico sempre imaginando a cabeça do pau, o freio e a pele se retraindo quando vai penetrar a vigina.

Minha imaginação é boa, mas ás vezes cansa....

Salvador da Pátria

Como vocês viram no meu balanço de fim de ano poderia ter dado bem mais, se bem que acho que mesmo quando se pratica sexo com freqüência sempre há espaço para mais. Bom, mas levando em conta que a freqüência está muito longe do meu ideal, preciso tomar minhas providencias para não me tornar um chata, recalcada e neurótica.

Solução óbvia, a masturbação.

Meu vibrador me impede de sair pelas ruas querendo matar as pessoas. Mas como todo bom companheiro, já me meti em várias enrascadas por causa dele.

Primeiro que eles sempre quebram, segundo um ex namorado meu não há motor que agüente - risos.

Chegou uma época que eu tinha dois que não serviam para absolutamente nada e um terceiro que ainda dava o ar da graça, até que um dia se cansou. O que fazer com a carcaça?

Não tive dúvidas, pedi para o ex namorado arrumar! Ele pegou o que restou dos três e construiu um quase novo, mas que funcionava. Certo que ele não durou muito, mas foi o suficiente para eu juntar dinheiro e comprar um quarto.

Outra dificuldade é o que fazer com os que já não serviam para nada? Jogar no lixo morando com a mãe é meio complicado, então resolvi jogar no metrô, um lixo bem impessoal. Foi só eu jogar o saquinho lá que um mendigo resolveu, imediatamente, revirar o conteúdo do meu saquinho.... não deu outra, minutos depois lá vinha o dito com meus vibradores falidos balançando na mão em plena plataforma.

Mas o maior constrangimento foi mesmo minha mãe ter achado a prova do crime em cima da cama, eu não sabia onde enfiar a cara. Até hoje fingimos que aquele dia nunca existiu.

Tem outros contras, como já coloquei em outro post, gasto um dinheirão com pilhas, elas estão pela hora da morte e duram no máximo uma semana, quando estou muito tranqüila. Já tentei pilhas recarregáveis mas a potencia não é a mesma.

Bom mesmo, de verdade, é quando consigo conciliar tudo o namorado e o vibrador, certamente uma bela oferta.
    

O que não se vê

Estou de volta e já com a primeira reivindicação do ano.

Faz um tempo que venho reparando na extinção de bares e restaurantes com toalhas, uma prática muito comum quando eu era pequena e achava que as mesmas só serviam para uma coisa: ser toalha.

Fui crescendo e descobri outras mil utilidades, dentre elas a melhor, namorar debaixo da mesa.

Ainda bem que consegui pega o término desta fase e por isso a minha revolta. A tolha nos dá uma série de oportunidades, testar a cara de pau, surpreender a pessoa que estamos saindo e a nós mesmas.

Lembro de uma vez que estava saindo com um moço, mais velho que  eu, já fazia seis meses, mesmo virgem eu estava louca para dar e ele talvez por eu ser virgem não podia ser mais lento. Fomos a um famoso restaurante cuja especialidade são suflês, um local um tanto formal para uma menina de dezessete anos.

Eu já estava cansada da situação queria que fosse aquela noite.

Sentamos, fizemos o pedido das bebidas e veio a famosa entrada, fui ao banheiro.

Voltei e joguei minha calcinha no prato dele, o maitre ficou me olhando com uma cara de reprovação tamanha, mas não me importava a cara dele o que me importava era a cara de quem estava comigo. A primeira reação foi de surpresa, ele escondeu a calcinha e depois sorriu  meio sem graça, mas era um riso de que tinha adorado a  ousadia.

De prato principal tivemos várias brincadeiras, todas encobertas pela cúmplice toalha, dedadas e até sexo oral.

Depois desta vez fiquei adeptas a lugares com toalhas.

(só para constar não foi nesta noite que deixei de ser virgem)

Desenvolvi várias teorias sobre o uso sadio da toalha. Todo homem gosta, as mulheres gostariam  caso se permitissem. Quanto ao risco de ser pego o segredo está na cara, mantenha a cara de paisagem, como se nada estivesse acontecendo e aproveite a refeição.

O problema é, as toalhas estão acabando, sendo trocadas por pedaços  de papel que não cobrem nem o umbigo. O motivo dizem os donos de estabelecimentos são os custos, mas já me deram até o meio ambiente como desculpa acredita! Vem cá ninguém pensa na espécie humana ávida por uma sacanagem em público?!

Hoje tenho no meu palm uma lista de locais onde as toalhas sobrevivem, olhando estes dias notei que as cantinas ainda são uma esperança.

Será que  esta questão só preocupa a mim?

Somente eu adoro sacanagem em público?

Se for terei que abrir meu próprio restaurante.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Mulher, O sonho de muitos e pesadelo de alguns.